Área Reservada
  • Português

Formação de activistas em técnicas de teatro: boas práticas em relação ao HIV-SIDA

Segunda, 10 Janeiro 2011 17:13

Teve lugar, de 22 a 26 de Novembro de 2010, uma formação de activistas em técnicas de teatro em Motaze, Moçambique, que culminou com uma mostra pública realizada no dia Mundial de luta contra o Sida, a 1 de Dezembro. A peça apresentada falava sobre a discriminação de pessoas que vivem com o HIV/SIDA, a necessidade de se fazer o rastreio e ainda o envolvimento da família nos cuidados domiciliares aos doentes.

 

Através de jogos cooperativos e de técnicas de teatro, esta iniciativa tinha como objectivo principal dotar os participantes de ferramentas de sensibilização para serem utilizadas a nível das comunidades na temática do HIV/SIDA. A formação contou com a presença de 33 participantes sendo 24 activistas de saúde (cuidados domiciliares), 5 alunos e 1 professor de uma escola primária.

 

Por outro lado, a capacitação também possibilitou aos activistas discutirem e procurarem em conjunto soluções para as dificuldades que os mesmos encontram no seu dia-a-dia no trabalho com as comunidades. Entre os principais desafios apontados, estavam: discriminação dos doentes, abandono ao tratamento, dificuldade de rastreio, passando para questões de índole cultural e da própria organização social das comunidades.

 

O objectivo é que o grupo de activistas formados continue o processo para os que não puderam participar, de modo a que o conhecimento seja transmitido a um maior número de pessoas possível.

 

A utilização de técnicas teatrais visa o desenvolvimento de novas e criativas estratégias para falar de temas que muitas vezes ainda parecem ser difíceis de serem discutidos com naturalidade.

Desta forma, esta iniciativa visa permitir a pessoas que se encontram em situações vulneráveis face ao HIV/SIDA estarem informadas sobre a prevenção e os cuidados domiciliares a nível das suas comunidades, criando deste modo condições para a diminuição do sofrimento causado por esta pandemia.

Estas actividades foram lideradas pela Associação Luarte, parceira da Oikos em Moçambique, no âmbito do Fortalecimento da Segurança Alimentar no Contexto de HIV/SIDA em Motaze.

Consulte o Projecto:

  • 3B28 Sekeleka Motaze - Fase IV – Fortalecimento da Segurança alimentar no contexto de VIH/SIDA, Moçambique (2007-2011)

    A Oikos trabalha em Motaze desde Setembro 2002, quando começou a implementação do projecto Sekeleka Motaze.

    Este projecto foi a continuidade e fecho do programa Sekeleka Motaze, e estava orientado à realização de uma transferência de capacidades e conhecimentos às famílias com doentes de HIV/SIDA para que pudessem providenciar os cuidados dispensados aos doentes pelos activistas de maneira pessoal e familiar e garantir o melhoramento da dieta alimentar dos doentes (e da família toda) a partir de recursos próprios. As acções desenvolvidas visavam que as famílias eliminassem o factor de dependência que se gerou com as actividades de cuidados domiciliários da Oikos, fechando-se o projecto sem que as famílias fossem prejudicadas.

    Além disto, procurou-se integrar as famílias afectadas pelo VIH/SIDA em uma série de actividades que permitissem o aumento da sua capacidade produtiva e de seu rendimento. Uma das estratégias utilizadas foi a criação de hortas familiares e criação de animais de pequena espécie destinados em exclusivo ao melhoramento da dieta familiar.

Financiadores