Área Reservada

Glasgow sobe a pouco: houve avanços, mas insuficientes e recuo final em relação ao carvão foi desastroso

Segunda, 15 Novembro 2021 10:53
Terminou a 26ª Cimeira pelo Clima das Nações Unidas (COP26) onde estiveram representados quase 200 países. A Oikos, a ZERO e a Fundação Fé e Cooperação (FEC), fizeram uma análise global dos 12 dias de evento.

Consideramos que as medidas adequadas no combate à crise climática exigiam uma resposta satisfatória em todas as frentes: mitigação, adaptação, financiamento e justiça climática. Em nenhuma delas a COP cumpriu inteiramente.

 

As negociações ficaram bem aquém de assegurar uma trajetória que garantisse um aquecimento não superior a 1,5°C em relação à era pré-industrial. Trata-se de um status quo iníquo, para a resolução do qual a 26ª Cimeira do Clima não deu os contributos necessários. Contudo, se o texto final não agrada inteiramente a ninguém, não deixa de ser uma base para progressos futuros.

 

No final, a emenda proposta pela Índia de considerar a redução do uso de carvão ao contrário da sua eliminação é lamentável e mostra a enorme dependência de muitos países deste combustível fóssil em particular que é um elemento fundamental da descarbonização global. 

 

Esta COP não assegurou 1,5°C, mas deixou uma porta entreaberta para tentarmos lá chegar. A COP26 vai assim a prolongamento na Cimeira do Clima no Egito em 2022, tempo extra que temos o dever de usar sabiamente.

 

Consulte a análise completa aqui.