Área Reservada

COVID19: Oikos alerta para a situação de 22 milhões de novos pobres na América Latina

Sexta, 05 Março 2021 16:20
"As pessoas têm que decidir se morrem de fome ou morrem de COVID". A Oikos, que atua na América Latina desde 1990, reage ao relatório das Nações Unidas lançado ontem que conclui que a pandemia Covid-19 eliminou 20 anos de progressos feitos no combate à pobreza nesta região.

Segundo o relatório das Nações Unidas "Panorama Social da América Latina 2020" apresentado ontem em Santigo do Chile, a pobreza extrema afetou 12,5% da população, valores que não se registavam há duas décadas. A região é simultaneamente a zona do mundo mais afetada pela Covid19 neste momento e a região com maiores índices de desigualdade.

Para a Oikos, os números refletidos são muito alarmantes. Em apenas um ano, a economia regrediu dez e aumentou a pobreza nos países centro-americanos que, antes da pandemia já estavam entre os mais pobres da região.


"As medidas tomadas pelos governos locais para controlar a pandemia deixaram os mais pobres numa situação em que tiveram que decidir se morrem de COVID-19 ou morrem de fome" declara Leena Siikanen coordenadora da Oikos na América Central.
As tempestades tropicais que atingiram fortemente a Nicarágua e Honduras no final de 2020 agravaram ainda mais a situação de pobreza.
"Ao dia de hoje, existem famílias que ainda vivem em abrigos a aguardar poder voltar para as suas casas ou outra solução".


Por outro lado, a pobreza tornou-se ainda mais visível. "As ruas estão cheias de famílias que pedem dinheiro para comprar comida ou remédios, enquanto a pandemia não dá sinais de melhora. As crianças mais pobres não tiveram acesso a uma educação adequada durante um ano inteiro e nas Honduras os números apontam para dois milhões de alunos que abandonaram a escola.
Além disso, há anos a América Central vive outra forte pandemia - a corrupção, que aproveitou a situação de emergência gerada pela COVID-19 para realizar flagrantes atos de corrupção, independentemente da situação vivida pela população mais vulnerável."


A Oikos é uma das poucas ONGD portuguesas que trabalham na América Latina ao longo das últimas décadas. Ao ver-se confrontada com esta situação, a Oikos tem apoiado as comunidades mais desfavorecidas num total de cerca de 10.000 pessoas. Mais de 45 comunidades em situação vulnerável foram apoiadas diretamente em El Salvador, com a distribuição de cabazes de alimentos, kits de higiene e cartões de acesso a bens essenciais. Nas Honduras o foco foi a formação, prevenção e empregabilidade além do reforço de 12 Entidades do Sistema Nacional de Gestão de Risco.

 

Relatório "Panorama Social de América Latina 2020"

  

Siga-nos

 

Participe em Ações e Eventos

Abril 2021
D 2a 3a 4a 5a 6a S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 1