Área Reservada

Fórum: Papel dos jovens defensores de Direitos Humanos em El Salvador

Sexta, 18 Dezembro 2020 14:52

No dia 9 de Dezembro de 2020, no âmbito do Dia dos Direitos Humanos, realizou-se o fórum Papel dos Jovens Defensores dos Direitos Humanos em El Salvador, organizado pela Oikos, ADES - Santa Marta e Plataforma Global El Salvador.

O Fórum realizou-se no âmbito do projecto: Jovens organizados para defender os direitos dos jovens, implementado por estas mesmas organizações, com o apoio crucial da União Europeia. Este projeto beneficia cerca de 60 organizações de jovens de todo o país, que promovem e defendem diferentes direitos humanos (DH). Durante três anos de implementação, o projeto irá aumentar as capacidades dos jovens defensores dos direitos humanos, das suas organizações e redes na defesa segura, acompanhamento, denúncia, defesa e promoção dos direitos mais violados dos jovens salvadorenhos.

 

Nas suas observações iniciais, Pedro Hernández, Representante da OIKOS em El Salvador, salientou a importância de apoiar as organizações de jovens que defendem os direitos humanos, e a necessidade de ter uma lei para o seu reconhecimento e proteção. "Temos o dever, e a obrigação, de promover uma maior participação dos jovens, a começar pelas nossas próprias organizações e projetos, de reconhecer o trabalho inestimável realizado pelos jovens defensores, e de exigir a sua proteção integral... O estudo hoje apresentado pretende ser um modesto microfone para os diversos jovens defensores dos direitos humanos, e o projeto em que é enquadrado pretende ser uma plataforma".

 

Miguel Varela, Chefe da Cooperação da União Europeia em El Salvador, confirmou que um dos fundamentos da União Europeia (UE) é o seu firme empenho na promoção e proteção dos direitos humanos, da democracia e do Estado de direito. Este compromisso é um dos pilares das suas ações, e está corporizado em projetos e eventos como este, que apoiamos como Delegação.

 

O Fórum teve dois momentos importantes. O primeiro foi a assinatura de um acordo para o reforço das organizações de jovens Azul Originario e Los Siempre Suspechos de Todo. Durante 2021, cada uma destas organizações receberá 15.000 euros, destinados a melhorar o seu trabalho com os sobreviventes da violência, defesa dos direitos humanos e advocacia política.

 

O acordo foi assinado por Wendy Morales, de Azul Originario; Tatiana Alemán, de Los Siempre Sospechos de Todo; Antonio Pacheco, de ADES - Santa Marta e Pedro Hernández, de Oikos.

 

Mais tarde, foi apresentado o estudo "Através do espelho: Um olhar sobre as perceções do papel das organizações e dos jovens defensores dos direitos humanos em El Salvador".

A consultora Elvira Rios, coautora do estudo, sublinhou as suas principais conclusões:

  • A reprodução de uma narrativa estigmatizante significa que nem os próprios jovens organizados se autorreconheçam, em muitos casos, como defensores dos direitos humanos, quando na realidade o seu reconhecimento comunitário e ação os reconhece como tal.
  • Os resultados confirmaram os padrões de violação dos direitos das mulheres jovens defensoras dos direitos humanos, sobre os quais outros estudos fornecem regularmente números. A recorrência das violações dos seus direitos é inegável, particularmente durante o período de quarentena da COVID 19. Isto define o ambiente como adverso, com violência, estigmatização e ataques diretos à imagem dos jovens, o que mostra pelo menos o impacto do trabalho de defesa dos direitos humanos e explica porque é que apenas 33% dos inquiridos trabalham com valores tão elevados e apenas 29% consideram que o seu impacto é elevado.
  • O estudo também confirma que a maior fonte de estigma está nos meios de comunicação social e no seu tratamento da violência envolvendo jovens, sejam eles vítimas ou não. Uma tendência predominante na cobertura noticiosa é favorecer o perpetrador quando este é membro da força policial, ou apontando a filiação do jovem a um gangue.
  • A questão da estigmatização, juntamente com outros tipos de violência contra jovens e defensores, deve ser estudada em profundidade, para as contestar e gerar mecanismos de proteção específicos que tenham o amplo apoio de outros atores da sociedade.

 

Wendy Morales; diretora da Azul Originario; Alejandra Burgos, Coordenadora da Rede Salvadorenha de Defensores dos Direitos Humanos e Marielos Handal, da Casa Abierta Santo Tomás; complementaram a apresentação com opiniões sobre o Estudo, bem como experiências pessoais ou institucionais, sobre o que significa ser um jovem defensor dos direitos humanos num país onde o seu trabalho não é reconhecido e onde os jovens são estigmatizados. Concordaram com a necessidade urgente de se aprovar a "Lei de Reconhecimento e Proteção Integral dos Defensores dos Direitos Humanos e a Garantia do Direito de Defesa dos Direitos".

 

Consulte o estudo na íntegra.

 

130727560 233653158113817_5853609657503768686_o

 

131045984 233652808113852_1307942582413517552_o

 

131226891 233652978113835_4079593393492810855_o

 

131071649 233653378113795_6526926293185759773_o

Consulte o Projecto:

  

Bannerlateral homeoikos

Siga-nos

 

Participe em Ações e Eventos

Julho 2021
D 2a 3a 4a 5a 6a S
27 28 29 30 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31